you’re reading...

Reviews

26” vs 29” – size matters

ENG

For some time we have been looking at the buzz around 29” big wheel bikes and wondering what it would be like to shred some trails on them. At the moment 29ers are popping everywhere with all major bike brands introducing several models, initially XC oriented only but lately it seemed the 29” is biting the terrain in which the 26” gravity oriented toys had been on for so long.

That said, following our recent test on the S-Works Enduro, we had the chance to really test side by side the 26” and 29” versions of the same bike: the Specialized Camber; an offer we obviously took advantage as it was a unique opportunity to really understand the advantages of both geometries. The bits and pieces below.

The Bikes and concept
We have been handled with the 2012 models of Specialized Camber, being the 26” a Camber Comp and the 29” a Camber Comp Carbon 29. Both bikes are categorized as trail bikes by Specialized, and it was exactly that kind of riding we did for these last weeks, ride and ride both models up and down on our home trails until we got a clear picture of the pros and cons of a big wheel trail bike over a 26.

The Camber Comp Carbon 29 is a gorgeous bike to look at, the carbon frame really stands out on it’s own and the main components / equipment are up to the challenge. The 26 model Camber Comp used during the tests is not as exclusive as the 29 carbon but is a solid performer and delivers a good package upon which it’s possible to evolve.

Starting with the basics, what should a 29” be like (to drive) theoretically?  last time I checked the physics books a bigger wheel implies a greater opposition to movement changes, which means it shall be slower to accelerate and harder to brake and turn; nevertheless, once it’s moving it carries a bigger momentum and as such it rolls and keeps the speed better than a smaller wheel (the 26 in this case).

Also, by using bigger wheels; the effect a small bump, rock, etc. produces on the bike is minimized, giving the impression the terrain is a little smoother while also improving traction a bit. Still, having bigger wheels means there might be the need to perform some modifications on the gear ratios, due to the greater wheel diameter. A bigger wheel means a bigger distance rolled with the same leg thrust if we keep the same ratios as a 26. Bigger distance means more effort so, when riding the 29er, it means you have to use closer ratios than you are used too.

 

The Ride
Being used to 26”, the first impression we get on the 29 is that it’s like you’re driving a truck. It’s clearly a bigger bike and requires some initial adaptation. The geometry is quite different and the standard values for HA (head angle) and suspension travel are and can not be applied for linear comparisons, the only way to get a concrete opinion on the 29 is to ride it hard on the trails we are used to on the 26 and see how it goes and feels. Don’t get us wrong, the fact the 29er is a bigger bike doesn’t mean it can’t be as maneuverable on specific situations, read on.

As expected, after building up the speed on the 29 it just keeps on going easily in a way the 26 just isn’t capable of, unless you’re constantly delivering power down. That same feeling is surprisingly noticed also on non-technical climbs, where the 29 again outpaces the 26, nevertheless during climbing in cases where terrain gets too technical and breaks the (speed) momentum the 29 gets a little harder to push as the constant need to adjust speed to overcome bigger and technical obstacles becomes a challenging task on the 29 (bigger wheel and same gear ratios means climbing sometimes can get harder).

Once pointing the 29” down the trail, as expected the bike behaves as it should, especially on typical and flowy trails it get’s really fast indeed! It rolls over the obstacles with ease in a way it will for sure be a surprise for many newcomers. If you can keep the flow on the 29 it will give you the best control you can get on a trail bike, but it will also (sometimes) require additional power in situations where approaching too fast into turns or those where you have to hit the brakes and then put power down on the pedals to get out of the turn fast. When it comes to situations where you are forced (by the nature of the trail) to constantly adapt the speed and bike/body positioning, the 26 handles better as you can easily accelerate, brake and control the position of the bike for fast turns, jumps and stuff.

Still on the descending side of things, if the trail becomes rough as like in a downhill type track the 29 will punish you as the bigger wheel bike doesn’t have the same muscle and agility to handle the big and ugly rock gardens you can point an All Mountain 26 bike to. The 29 will feel like you are in control but the momentum of the bigger architecture won’t let you be as agile as the 26. The smaller sister allows you to be quicker and take full advantage of the track’s technical stuff to play and have fun as you will, as it deals better with such complicated corners, drops and rocks (even though doing so with less comfort that the big wheels bring to the ride).

 

 

Conclusion
At the end of the day it’s all about selecting the right tool for the right job. One cannot say a 29 is better or worse than a 26, it’s all about the purpose and the trails you are going to ride in; but one thing it’s for granted, if climbs are clean allowing a steady pace and descends aren’t too aggressive, you’ll be blown away with the capabilities of a gravity oriented 29 bike because size does make the difference when riding in those. Just pick the right one for your riding style.

The Bikes
For both bikes there is a ongoing promotion until end June at Movefree stores, have a look below.

Camber Comp (26inch)
info: Camber Comp product page

Camber Comp Carbon 29 (29inch)
info: Camber Comp Carbon 29 product page

 

Note: We would like to say a big thanks to Movefree for the opportunity to test both the 26 and 29 Camber models, we had great fun!

 

Below you can find some more photos, have a look.

 

 

PORTUGUÊS

Andamos a observar já há algum tempo o entusiasmo que se tem vindo a desenvolver em volta das bicicletas de roda 29 polegadas e sempre achámos curioso como seria ripar uns trilhos nestas máquinas. As bicicletas de 29 polegadas – as chamadas “29ers” (“twenty niners”) – estão a aparecer por todo o lado desenvolvidas pelas principais marcas do sector todo-o-terreno. Inicialmente orientadas com geometrias de XC, estão rapidamente a evoluir para utilizações em terrenos mais agressivos dominados pelos brinquedos de 26″ durante anos.

Consequente do nosso recente teste à S-Works Enduro, da Specialized, tivemos a oportunidade de testar verdadeiramente e lado a lado as versões 26″ e 29″ da mesma bicicleta: a Specialized Camber; uma oferta que nos pareceu logicamente irrecusável visto a nossa crescente curiosidade em relação ao assunto, pois só assim seria possível tirar sinceras conclusões sobre as vantagens de ambas as geometrias.

As bicicletas e o conceito
Ficámos então responsáveis por testar duas Specialized Camber 2012, sendo a 26″ o modelo Camber Comp e a 29″ uma Camber Comp Carbon 29. Ambas estão indicadas pela Specialized na categoria de Trail, tendo sido exactamente esse o tipo de uso e tratamento que as mesmas levaram durante as últimas semanas. Testar e testar ambos os modelos ripando os trilhos a que estamos habituados até ficarmos com uma ideia clara das vantagens e desvantagens da utilização de roda de 29 polegadas numa bicicleta de Trail.

A Camber Comp Carbon 29 é uma bicicleta que enche o olho, à primeira vista, destacam-se as linhas e acabamentos do quadro em carbono sendo este equipado com componentes que não se ficam atrás. O modelo de 26 polegadas – Camber Comp – usado neste teste não é tão exclusivo como a irmã de 29″ mas revelou-se muito competente nos trilhos, sendo uma boa base para evolução.

Começando pela teoria, como deve ser a sensação da condução de uma 29″? Do que me lembro dos livros de física uma roda maior significa uma maior oposição ao movimento, o que significa que deverá ser mais lenta a acelerar e mais difícil de travar e curvar. No entanto, esse momentum que dificulta a oposição às diferenças de movimento, encarrega-se de manter uma velocidade de rolamento estável mais facilmente que uma roda pequena (26 polegadas neste caso).

Rodas maiores implicam também maior superfície de contacto com o solo, o que significa que o efeito transmitido à bicicleta por pequenas lombas, raízes e pedras é minimizado, deixando a impressão que o terreno é mais suave ao mesmo tempo que melhora ligeiramente a tracção. Mas rodas maiores significa também a necessidade de alterações às desmultiplicações a que estamos habituados devido ao maior diâmetro/perímetro da roda. Um maior perímetro significa que a distancia percorrida com a mesma pedalada é maior se mantivermos as mesmas relações de transmissão de uma roda 26″, o que inevitavelmente significa mais esforço. Portanto, ao pilotar uma 29er deveremos usar relações mais leves do que estamos habituados.

 

Em movimento
Estando habituado a 26″, a primeira impressão que se tem de uma 29″ é que se está a conduzir um camião! É claramente uma bicicleta maior e requer alguma habituação inicial. A geometria é bastante diferente e os ângulos habituais (de direcção, etc), bem como cursos de suspensão não podem ser comparados linearmente e a única maneira de se tirar uma conclusão concreta das 29″ é andar nela e ripar nos trilhos onde se está habituado com uma 26″. O facto da 29″ ser maior não significa necessáriamente que não pode ser tão manobrável como a sua irmã mais baixa em situações específicas… mas já lá vamos.

Como seria de esperar, depois de ganhar velocidade a 29 mantém-na facilmente de uma forma que a 26 dificilmente o consegue sem se estar constantemente a pedalar. Esse mesmo efeito é igualmente notório em subidas (inclusive técnicas) onde conseguimos manter a alguma velocidade, a 29″ ultrapassa facilmente a 26″, no entanto mesmo a subir, quando o terreno começa a ficar técnico e lento, a inércia das 29 polegadas dificulta a necessidade constante de mudar de velocidade e ajustar-se aos maiores obstáculos (roda maior e relações iguais significam que nestes casos, subir pode tornar-se mais difícil).

E a descer? Assim que se aponta a 29″ para baixo, a bicicleta comporta-se como esperado, especialmente em estradas de terra ou trilhos fluidos conseguem-se alcançar velocidades muito rápidas! Ultrapassa facilmente os pequenos obstáculos de uma maneira que surpreende de início. Se conseguires manter um andamento fluido, a 29″ dar-te-á o melhor controlo possível numa bicicleta de Trail, mas em situações onde será necessário uma aproximação rápida à curva, travar forte e sair da curva em aceleração (trilhos técnicos) pode tornar-se mais difícil de executar. Nestas situações onde somos forçados (pelas características do trilho) a adaptar constantemente a velocidade e posição da bicicleta, a velha 26 polegadas porta-se melhor, visto conseguirmos acelerar, travar e controlar a posição da bicicleta e do corpo mais facilmente e assim ultrapassar curvas rápidas, grandes obstáculos e saltos.

Ainda a descer, se o trilho se torna mais agressivo, como uma pista de downhill, ou um trilho muito técnico por exemplo, a roda 29″ torna-se mais complexa de gerir visto a arquitectura da bicicleta não ter a capacidade e ângulos agressivos de uma verdadeira AllMountain 26″. A 29er transmitirá a confiança de que se está em controlo, mas a inércia da maior massa em movimento não permite ser tão ágil como na 26″. A irmã mais pequena permite maior agressividade no ataque aos obstáculos, traduzindo-se numa utilização mais divertida em que se aproveitam mais potencialidades do trilho quando se chegam às curvas apertadas, drops, saltos e rochedos (mesmo que de uma maneira menos confortável que a produzida com as rodas maiores).

 

 

Conclusão
No final do dia, é tudo uma questão de escolher a ferramenta adequada para o trabalho pretendido. Não se pode afirmar que uma 29″ é melhor ou pior que uma 26″, é uma questão de propósito e dos trilhos que se vão explorar; mas uma coisa é garantida, se as subidas forem fluidas bem como as descidas não demasiado agressivas, vais ficar estupefacto com as capacidades de uma bicicleta de 29 polegadas, porque aí sim, o tamanho interessa. Estuda e escolhe a máquina correcta para o teu estilo e gosto.

As Bicicletas
Para ambas as bicicletas usadas durante o comparativo está actualmente a decorrer uma promoção até ao final de Junho nas Lojas Movefree, vê abaixo.

Camber Comp (26polegadas)
info: página de produto Camber Comp

Camber Comp Carbon 29 (29polegadas)
info: página de produto Camber Comp Carbon 29

 

Nota: Gostariamos de agradecer à Movefree pela oportunidade de testar ambos os modelos Camber 26″ e 29″, foi super divertido!

 

Abaixo podem encontrar mais fotos.

 

 

 

Discussion

One Response to “26” vs 29” – size matters”

  1. grande artigo, sim senhor!! Força nisso!!

    Posted by Dário Sousa | June 25, 2012, 9:09 pm

Post a comment

This site is protected by Comment SPAM Wiper.